Blog

  • Home
5D62BD79-B485-43D4-B854-F472F308D60E

Qualquer pessoa concorda que a vida humana tem um valor inestimável, sendo que por isso, mesmo que seja necessário fazer transplante de órgãos, gastar enormes valores financeiros e fazer todo o tipo de sacrifício, precisamos lutar pela vida. Isso é um senso comum. 

Mas, qual é a razão para fazer tudo isso e continuar a viver? Por que não devemos cometer suicídio, por maior que seja o sofrimento? Qual é o objetivo de viver?

Embora sejam relevantes para vivermos, todos os campos da Ciência e do conhecimento humano, as várias religiões e filosofias de vida não fornecem respostas a essas perguntas, por uma única razão: elas não conseguem distinguir entre o propósito de viver e os meios de viver. 

O que é “propósito da vida” e o que são “meios de vida”? O exemplo a seguir poderá ajudar nesta compreensão.

“Viver” pode ser comparado a “voar de avião”. A descolagem de um aeroporto significa o nosso nascimento. Neste momento em que estamos vivos, estamos dentro do avião, em pleno voo. No avião podemos viajar na classe econômica, executiva ou primeira classe, optar entre vários tipos de comida, dormir, ler um livro, conversar, ouvir música, assistir um filme, etc. E assim, enquanto a viagem durar, podemos viajar tranquilamente e desfrutar cada momento da forma mais agradável e feliz possível.

As opções que fazemos ao longo da viagem podem ser diferentes para cada pessoa, ou seja, o estilo de vida, escolhas sobre o que estudar, no que trabalhar, o que valorizar nesta vida e os desejos de cada um podem ser e são diferentes. 

Essas escolhas correspondem ao “modo de viver” das pessoas, isto é, aos “meios e motivações de vida”, que proporcionam felicidades, conforto e bem-estar, mas temporários. Apesar de serem muito importantes para que continuemos vivos, os “meios de vida” não são suficientes para nos conduzir a uma felicidade verdadeira e plena, pois mesmo tendo uma vida digna e alegre, possuindo saúde, dinheiro, família, casa, amigos e reconhecimento, todas as pessoas terão que se defrontar com a morte algum dia. 

Para entender melhor esta última frase, basta imaginar o que sentirá uma pessoa que viajava tranquilamente e ouve que o avião não tem um aeroporto de destino definido. Será que a comida, o filme e todos os recursos e confortos oferecidos no avião ainda assim proporcionarão algum tipo de alegria, prazer ou felicidade? Neste momento, a única coisa que desejaremos saber é para onde este avião deve voar para que seja possível uma aterragem segura. 

Numa viagem de avião, a pergunta “para onde o avião deve voar para que seja possível uma aterragem segura?” (propósito de voar) é análoga à questão “Por que vivemos?” (propósito de viver). 

Viver bem e aproveitar cada momento da vida, com alegria, paz e serenidade é muito bom, necessário e importante. Mas apenas isso não garante a duradoura e plena felicidade, paz interior e a verdadeira alegria de ter nascido como ser humano. É essencial saber claramente o propósito da vida. 

Por esta razão, a filosofia budista explica sobre a importância de sabermos nitidamente a diferença entre o propósito da vida e os meios de vida. 

No livro livro Porque vivemos, o professor Kentetsu Takamori escreveu sobre isso da seguinte maneira: “Aqueles que não conseguem distinguir claramente a verdade (o verdadeiro propósito da vida) do provisório (os hobbies e os objetivos temporários) desconhecem o propósito definitivo da vida e ignoram o júbilo de viver: «Que maravilha ter nascido humano!» Quando se conquista o propósito da vida, todo o sofrimento é recompensado: cada lágrima derramada regressa a nós como uma pérola”(página 99, edição portuguesa, 1ª edição: Nascente / 2ª edição: Farol, chancelas da 20|20 Editora).

Leia o livro Porque vivemos e saiba mais sobre o propósito da vida, explicado pela filosofia budista. Além dos artigos do nosso site, a ITIMAN oferece também cursos online sobre o conteúdo dos nossos livros.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *