Blog

  • Home
A lei de Benares – Site – generations

Muito tempo atrás, o reino indiano de Benares tinha uma lei abominável. Quando um homem chegava aos sessenta anos de idade, os filhos lhe davam uma esteira na qual devia ficar sentado dia e noite, guardando a entrada da casa. 

Nesse reino vivia um homem cuja mulher morrera jovem, deixando-o com dois filhos pequenos para criar. Ele educou os dois sozinho, mesmo em extrema pobreza. 

Finalmente chegou aos sessenta anos. O filho mais velho, que agia como se tivesse se criado sozinho, disse a seu irmão: “Pegue uma esteira e dê para o pai, para ele ficar sentado no portão de agora em diante”. 

O irmão mais novo, que era dedicado ao pai, pensou muito. Por fim, pegou uma esteira no depósito e a cortou em duas. Contendo as lágrimas, entregou metade da esteira ao velho e disse: “Pai, eu sinto muito, mas é ordem do meu irmão. A partir de hoje, o senhor tem de sentar nesta esteira e vigiar o portão”. 

Intrigado, o irmão perguntou: “Por que você não deu a ele a esteira toda?”. 

“Só temos uma”, foi a resposta. “Se eu der a esteira toda para o pai agora, teremos problemas mais à frente, quando precisarmos de outra esteira, não é?” 

“Por que vamos precisar de outra esteira?”, perguntou o irmão mais velho, mais intrigado que nunca. “Quem iria usar?” 

“Ninguém continua jovem para sempre. A outra metade é para você.” 

“Para mim? Por quê?” 

“Quando você fizer sessenta anos, seus filhos vão ficar aflitos se não houver uma esteira para você”.

O irmão mais velho compreendeu, com um choque, que um dia sofreria a mesma indignidade pelas mãos dos próprios filhos. Alertado para a injustiça da lei perversa, juntou-se ao irmão mais novo para combatê-la e ambos conseguiram que fosse revogada. 

(História de Kentetsu Takamori, autor dos livros “Porque vivemos” e “Sementes do coração”)

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

O que acontece com os outros hoje, pode acontecer connosco amanhã. Mas muitas vezes nos consideramos tão importantes que se torna difícil perceber a dura realidade de nosso futuro inevitável. 

Colocarmo-nos no lugar do outro e pensar sempre antes de falar ou agir: «será que estou a ser indelicado?». Esta é a base da educação, cortesia e felicidade mútua.

Leia também o artigo “Colocar-se no lugar das pessoas – uma sensibilidade humana essencial”.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Professor de filosofia budista, autor, editor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *