Blog

  • Home
1885E489-A8ED-470B-B025-52C6B2F24390

Muitos consideram que a verdadeira felicidade é aquela sem apego ou desejo. Por outras palavras, acreditam que para ser verdadeiramente feliz, é necessário reprimir o desejo, desapegar ou “praticar o desapego”; alguns chegaram até o ponto de pensar que, a menos que o desejo seja eliminado, nunca se pode obter a felicidade. 

Por outro lado, se passarmos a vida toda tentando satisfazer nossos desejos ilimitados, viveremos descontentes, insatisfeitos e condenados a sofrer até o fim. Nenhuma filosofia de vida, pensamento ou estilo de vida pode nos mostrar uma saída para esse dilema, que parece insolúvel.

No entanto, há 2600 anos, Shakyamuni indicou e explicou sobre a existência de uma felicidade que pode ser vivenciada nesta vida, sem reduzir ou eliminar nossas insistentes paixões mundanas, como desejo, apego, ira, raiva, inveja, ciúme e ódio.

No budismo, desejo, apego, raiva, ciúme, inveja e sentimentos semelhantes são conhecidos como “paixões mundanas”. O ser humano é um aglomerado de 108 paixões mundanas; nós, humanos, somos feitos dessas paixões. 

Por sermos formados de desejo e apego, até a morte esta nossa condição não mudará, isto é, até o último instante desta vida teremos apego e desejo. Então, se a verdadeira felicidade for aquela que é sem apego e desejo, quando poderemos ser verdadeiramente felizes? Para bom entendedor, meia palavra basta. A resposta é clara e não deixa dúvidas.

A filosofia budista indica um caminho em que, mesmo que todos os nossos desejos não sejam satisfeitos, mesmo que tenhamos apego, mesmo que a ira persista, mesmo que sentimentos detestáveis como a inveja e o ciúme venham à tona, é possível obter e sentir uma felicidade verdadeira e inabalável, que não depende de fé ou crença religiosa para existir e perdurar. 

A verdadeira felicidade pode ser entendida como um estado de ausência de sofrimentos, mas segundo o budismo, o mais adequado, preciso e realista é dizer que a verdadeira felicidade é viver num mundo em que “as ondas de todo sofrimento transformam-se em alegria”, sendo como somos, com todos os nossos apegos e desejos humanos. Obviamente, isso refere-se ao nosso “mundo interior”, ao nosso “eu interior”.

A explicação mais profunda e completa sobre este assunto pode ser lido no livro Porque vivemos, de Kentetsu Takamori, e é também um dos temas dos artigos e cursos online da ITIMAN.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Onde adquirir o livro:

Para quem deseja ler mais sobre este assunto, sugerimos o artigo “Noites com sol – A explicação da filosofia budista sobre a felicidade plena nesta vida”.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *