Blog

  • Home
happy-world-peace-day_t20_Koe690

Há muito tempo, um homem que vivia numa aldeia na montanha e, outro, que morava numa aldeia de pescadores, passaram uma noite na mesma hospedaria da capital. Em determinado momento, começaram a discutir. “Agora, ouça o que eu digo”, falou o primeiro. “Estou dizendo que o sol nasce e se põe nas montanhas”.

“Não seja parvo”, replicou o segundo, sem ceder em nada. “O sol nasce e se põe no mar. Eu tenho certeza. Vejo isso acontecer todo dia”. O proprietário da hospedaria aproximou-se e riu dos dois: “Vocês estão errados. O sol nasce e se põe entre os telhados!”.

Cada um de nós percebe as coisas de maneira diferente, de acordo com a nossa situação, com o mundo no qual vivemos. Para um indivíduo rico, o tiquetaque do relógio pode parecer um lembrete para investir seu dinheiro e lucrar, enquanto para alguém que está devendo, pode servir como alerta de que o prazo para quitar a dívida está se esgotando.

Sem dúvida, o mundo é desigual. Existem pessoas inteligentes ou tolas, boas ou más, altas ou baixas, não há seres humanos iguais. Somos infinitamente variados também  com relação à educação, talentos, habilidades e pensamento.

Da mesma forma, nosso conceito de felicidade varia conforme a experiência e as circunstâncias de cada um; é possível afirmar que a diversidade é o que caracteriza a humanidade.

Mesmo num mundo de diferenças, o desejo comum a qualquer pessoa é a felicidade plena e duradoura. A filosofia budista explica que a igualdade tão almejada por todos está justamente na conquista desta felicidade, da mesma forma que as diversas águas dos inúmeros rios do planeta, ao desaguarem no oceano, terão um único e igual sabor salgado. Podem ser talentosos ou não, saudáveis ou deficientes, ricos ou pobres, de qualquer etnia ou ocupação profissional – isso não faz diferença. Todos podem partilhar igualmente o mesmo mundo de alegria.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to dFlip 3D Flipbook Wordpress Help documentation.

Dúvidas ou perguntas sobre o conteúdo deste artigo podem ser enviadas para

Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Presidente da Itiman, professor de Budismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *