Blog

  • Home
himalayas-2301040_1920

“Noites com sol” é o título de uma linda música de Flávio Venturini e um cenário, no mínimo, inusitado e incomum. É, também, uma situação semelhante à descrita na explicação budista para a natureza da felicidade plena e duradoura, objetivo final da existência humana.

A vida tem um propósito claro: ter a escuridão da mente (raiz do sofrimento humano) eliminada e a felicidade sem fim conquistada. Quando a escuridão da mente é dissipada, o que exatamente muda, e como?

Embora a escuridão da mente já esteja dissipada, as nuvens e a névoa do desejo, da raiva, do ódio, encobrem continuamente o céu da verdadeira felicidade. Mesmo que as nuvens e a névoa envolvam o céu ensolarado, debaixo das nuvens e da névoa, tudo é claro e a escuridão inexiste.

Livro “Porque vivemos”, de Kentetsu Takamori – Editora Satry, São Paulo, 2014

A partir desta analogia criada pelo Mestre Shinran (1173 – 1262, Japão), o budismo ensina que “quando a escuridão da mente se dissipa, a imagem nua do “eu” é revelada, feita de sentimentos como ciúme e inveja. Porém, por mais densa que seja a camada de nuvens e névoa a cobrir o céu, o brilho do sol deixae tudo claro debaixo das nuvens e da névoa; da mesma forma, embora continuemos cheios de desejo, raiva, inveja e outras paixões mundanas, uma vez dissipada a escuridão, a mente é livre e feliz.”

Na filosofia budista, desejo, raiva, ciúme, inveja e sentimentos semelhantes são conhecidos como “paixões mundanas”. Há mais de 2600 anos, Buda Shakyamuni constatou e ensinou que o ser humano é um aglomerado de 108 paixões mundanas; nós, humanos, somos feitos dessas paixões.

Na analogia mencionada, todas as paixões mundanas que nos constituem são comparadas a nuvens e névoa, e o mundo da felicidade absoluta, a um céu ensolarado. Quando a escuridão da mente (causa básica do sofrimento humano) é dissipada pelo sol da sabedoria, vê-se claramente que a natureza do “eu” é composta de nada mais que paixões mundanas.

Mesmo que o céu esteja envolto em nuvens e névoa, abaixo delas tudo é claro, não há escuridão por causa da luz do sol. Da mesma forma, com o sol da sabedoria, a mente é repleta de luz, muito embora permaneça envolta em paixões mundanas.

Sem a presença do sol, não haveria como saber das nuvens e da névoa que cobrem o céu, nem a escuridão seria percebida como tal. Também não seria possível conhecer o mundo no qual debaixo das nuvens e da névoa tudo é claro e a escuridão inexiste.

Assim, até o sol da sabedoria dissipar nossa mente escura, nunca poderemos conhecer o “eu” verdadeiro feito de paixões cegas, nem perceber a escuridão da nossa mente. Tampouco, podemos entender que a mente cheia de dor e sofrimento (paixões mundanas) é, ao mesmo tempo, a mente repleta de alegria.

A analogia de Shinran aponta habilmente que o cumprimento de nosso propósito na vida e a consequente conquista da felicidade plena e duradoura nesta vida está relacionada, não às paixões mundanas, mas sim à solução de nossa “mente escura”.

A explicação completa sobre a “mente escura” (causa básica do sofrimento humano) e como eliminá-la pode ser lida na parte 2 do livro “Porque vivemos”, de Kentetsu Takamori (Editora Satry, São Paulo, 2014).

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Professor de filosofia budista, autor, editor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *