Blog

  • Home
88FB4021-7D38-4BE2-9EBE-07A8D9E6EBA5

“Sou eu que vou seguir você do primeiro rabisco até o bê-a-bá … Sou eu que vou ser seu colega, seus problemas ajudar a resolver … Serei sempre seu confidente fiel, se seu pranto molhar meu papel … Sou eu que vou ser seu amigo, vou lhe dar abrigo se você quiser …

O que está escrito em mim comigo ficará guardado, se lhe dá prazer. A vida segue sempre em frente. O que se há de fazer?

Só peço a você um favor, se puder, não me esqueça num canto qualquer.”

Nesta canção que emocionou e continua a tocar o coração das pessoas de várias idades e gerações, Chico Buarque faz uma bela e singela homenagem ao “caderno”, aquele de papel, que mesmo com toda a revolução digital, continua a ser o fiel companheiro de crianças e adultos no caminho de aprendizagem da vida. 

Nada mais justo nesta data, estender essa homenagem ao “livro”.

Assim como tudo na vida, o livro mudou e evoluiu ao longo das épocas. Dos manuscritos aos impressos, passando pelos audiolivros, diversas modificações ocorreram em seu formato até chegarmos aos modernos e-books. 

Mesmo assim, há algo que não mudou no livro, cuja importância não se alterou: o conteúdo. Ele é o coração, a alma de um livro. Seja no papel ou nos ecrãs, é o conteúdo do livro que possui o poder transformador para nos tornarmos pessoas melhores, mais humanas e mais felizes.

As palavras de um livro possuem a força para nos transportar a lugares incríveis, mesmo sem sair de casa, como Fernando Pessoa escreveu no texto abaixo:

“Viajar? Para viajar basta existir. Vou de dia para o dia, como de estação para estação, no comboio do meu corpo, ou do meu destino, debruçado sobre as ruas e as praças, sobre os gestos e os rostos, sempre iguais e sempre diferentes, como, afinal, as paisagens são. (…)

Para quê viajar? Em Madrid, em Berlim, na Pérsia, na China, nos pólos ambos, onde estaria eu senão em mim mesmo, e no tipo e género das minhas sensações?

A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos”.

É o conteúdo do livro que possibilita ao ser humano conhecer, saber, compreender e refletir, para então, a partir de novas ações inspiradas no conhecimento transmitido pelo livro, promover uma mudança positiva e feliz na vida. São as palavras contidas num livro que inspiram e movem um indivíduo, uma família, uma sociedade, um país e o mundo inteiro para uma vida melhor.

Por isso, o livro seja, talvez, uma das invenções humanas mais antigas, revolucionárias e relevantes que já tivemos. É, e sempre será um bem essencial para a humanidade.

Desejamos que todos possam ler um bom livro e, com ele, aprender, crescer e caminhar para uma vida verdadeiramente feliz.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *