Blog

  • Home
13069073-132F-430A-99A4-D89FC14AD109

O pai reuniu os três filhos no leito de morte, pois gostaria de transmitir-lhes seu último desejo. Tratava-se de um general renomado, um herói de inúmeras batalhas. Preocupava-se com o destino dos filhos quando partisse. 

Entregou a cada um deles uma flecha.

— Tentem quebrá-las.

Não foi preciso muita força para parti-las. Então, o pai distribuiu três flechas para cada filho.
— Agora, tentem quebrá-las juntas.

Não importava quanta força investissem, elas sequer lascavam.

— Uma frágil flecha, quando agrupada com outras, se fortalece. Irmãos são como flechas: unam forças, e elas se multiplicarão. Dispersem-se, e serão facilmente derrotados. Sempre valorizem a harmonia — aconselhou o pai. 

O general em questão é Mori Motonari (1497-1571), que governou a região de Chugoku, no Japão. “O aprendizado das três flechas” é um episódio famoso em sua vida. 

Manter a união traz uma força considerável, seja na vida pessoal ou profissional. Porém, trata-se de um grande desafio. Motonari afirmava: “Onde há ganância, há conflitos”. 

Ganância é o egoísmo desmedido, um sentimento que destrói a harmonia. 

Na Constituição Japonesa, promulgada por Shotoku Taishi (Príncipe Shotoku) (574-622), no ano 604, consta que “Manter a harmonia é um bem precioso”. Há mais de 1400 anos, na primeira Constituição japonesa, foi especificada a importância do esforço em preservar a convivência pacífica entre os indivíduos. 

(História de Yutaka Yamazaki, autor, editor-chefe, presidente da Ichimannendo Publishing – Tokyo, Japan e vice-presidente da ITIMAN. No Japão, Yutaka Yamazaki assina seus livros como Koichi Kimura, seu nome artístico.)

A colaboração e a consideração ao próximo resulta em harmonia. E a harmonia é um dos importantes ingredientes para a união, o êxito e a felicidade. 

A harmonia não existe naturalmente desde o início, pois as pessoas são e pensam de formas diferentes, embora possam existir semelhanças e pontos em comum. Por isso, sem o esforço contínuo e árduo de cada indivíduo em pensar e colocar-se no lugar das outras pessoas antes de falar e agir, é impossível construir a harmonia. 

No entanto, apenas a harmonia não é capaz de gerar a união. É preciso que, além da harmonia, exista a consciência de um propósito comum a todos. Somente quando o propósito da vida humana ficar claro, poderemos viver em plena harmonia, com verdadeira união e felicidade. 

Leia sobre a questão fulcral da vida e do ser humano no livro Porque vivemos.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *