Blog

  • Home
key-2327939_1920

Algumas pessoas podem questionar como é possível alguém conhecer os mundos do passado e do futuro. Segundo a filosofia budista, como o presente engloba tanto o passado como o futuro, ver o presente com clareza é conhecer todo o passado e todo o futuro de uma vez. O presente é, de fato, a chave que destranca o passado e o futuro. 

A história a seguir ilustra a relação entre presente e futuro. 

Um homem culto chegou à cidade para fazer uma palestra sobre os males da bebida alcoólica e pregar a sabedoria da abstinência. 

Um cidadão apaixonado por bebidas alcoólicas entrou no salão da palestra, indignado com o fato de que alguém pudesse inibir um dos maiores prazeres da vida. Contudo, quanto mais ele ouvia, mais aprendia, e aos poucos, mesmo contra a sua vontade, se viu conquistado e decidiu parar de beber. 

Quando a palestra terminou, foi até o palestrante, contou-lhe toda a sua história e pediu que ele escrevesse uma mensagem para comemorar sua decisão.

“O que devo escrever?”, perguntou o palestrante.

“Que tal ‘sem beber até o fim da minha vida’?”, sugeriu o cidadão.

“Parece duro demais. Por que não ‘até o fim do dia’?” 

Sem poder acreditar no que ouvia, o homem inclinou-se para ter certeza de que entendera direito. “Só por hoje? Acha que basta?” 

“Claro. Desista de beber só por hoje. Isso basta.” 

O homem levou para casa o papel com as palavras “Sem beber só por hoje” e o pregou na parede. Depois pegou o relógio e ficou esperando ansiosamente a chegada do dia seguinte. 

Quando anoiteceu, pegou um grande jarro de vinho, colocou mais perto de si e permaneceu à espera. Assim que deu meia-noite, ele ergueu o jarro, pronto para tomar um grande gole da bebida, e olhou para a parede. Uma onda de frustração o invadiu. 

“Ah, não!”, exclamou. “‘Sem beber por só hoje’, de novo!” 

De fato, “só por hoje” quer dizer o mesmo que “até o fim da minha vida”. O homem entendeu esta verdade e nunca mais bebeu. 

Quando “este ano” terminar, será “este ano” outra vez. Quando “hoje” terminar, será “hoje” outra vez. O tempo se expande de eras passadas para um futuro sem fim, uma sucessão infinita de momentos no presente: “agora”, “agora”, “agora”… 

Como o momento presente abarca o passado eterno e o futuro eterno, muitos filósofos e pensadores falaram dele como o “eterno agora”. 

Assim como na história contada acima, o foco no momento presente e o pensamento “só por hoje” podem até solucionar sérios problemas cotidianos como o alcoolismo, mas isto será somente durante esta vida, até chegar o momento da nossa morte. A questão maior é a que vem logo em seguida: e depois que eu morrer, o que acontecerá? Para onde irei? Ainda restará a grande questão da vida: a morte.

Há mais de 2600 anos, Sakyamuni, o buda, explicou a filosofia que esclarece exatamente este ponto cego da humanidade e deu uma resposta para a questão fulcral da vida: Por que nascemos e vivemos?

Esta resposta passa pelo conhecimento do nosso verdadeiro eu, que é mostrado como ele é, sem maquilhagens.   

Leia e saiba mais sobre estes assuntos nos artigos do site da ITIMAN e no livro “Porque vivemos”.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Para quem ainda não conhece a edição portuguesa (compacta) do best-seller japonês “Porque vivemos”, vale a pena ler. Aos que já leram, sugerimos a leitura da edição brasileira (completa) do livro.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Mauro Nakamura
Professor de filosofia budista, autor, editor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *