Blog

  • Home
19B3DA6E-23AC-4D5D-959E-942242BBB052

Quem somos? Quem é o “verdadeiro eu”? Não há nada mais importante do que conhecer a verdadeira natureza de si próprio.  “Eu me conheço melhor do que qualquer outra pessoa”, pensamos. No entanto, como sugere o antigo provérbio “Conhece-te a ti mesmo”, parece que o ser humano sabe muito pouco ou quase nada sobre si. 

Certo dia, um bando de ladrões deu um banquete em seu esconderijo na montanha. Naturalmente, a sala estava cheia de artigos roubados. No meio dos objetos, havia um cálice de ouro brilhante. Os homens o encheram com bebida e passaram-no entre eles, cada um tomando um gole, até que num certo momento o cálice desapareceu. O líder deu um pulo e um uivo feroz, gritando: “Alguém aqui é um bandido!”. 

Dificilmente ele poderia dizer tal coisa caso se lembrasse de sua posição como líder de uma quadrilha. 

Uma vez, enquanto Buda Shakyamuni estava descansando à sombra de uma árvore, um grupo de trinta aristocratas e suas esposas estavam fazendo uma festa com vinhos nas proximidades. Um dos membros do grupo, solteiro, levara consigo uma mulher de moral duvidosa que, quando os convidados bêbados adormeceram, aproveitou a oportunidade para fugir com os pertences de todos. 

Chocado ao descobrir o que tinha acontecido, o grupo inteiro se espalhou, decidido a encontrá-la. Quando chegaram a Buda, perguntaram-lhe se tinha visto uma mulher suspeita passar. A resposta dele os trouxe prontamente de volta à realidade: “Entendo a situação, mas o que é mais importante: encontrar a mulher ou encontrar a si mesmo?”. 

Como se tivessem despertado de uma ilusão, ouviram a explicação de Buda e se tornaram seus discípulos, segundo as escrituras. 

São histórias que nos fazem refletir. (Trechos do livro “Porque vivemos”, de Kentetsu Takamori)

O «verdadeiro eu» refere-se à realidade da nossa mente e do coração de cada um, pois nós somos exatamente o que pensamos, considerando até mesmo aqueles pensamentos mais íntimos, que estão no fundo do nosso ser, que não dizemos a ninguém. 

O nosso «verdadeiro eu», a verdadeira imagem do ser humano é refletida no espelho ensinado pelo Buda Shakyamuni, o espelho do dharma ou verdade, que representa todo o ensinamento e filosofia budista. 

Ouvir e estudar a filosofia budista é olhar para a imagem que se reflete neste espelho do dharma. Para isso, precisamos de estar de olhos bem abertos e atentos (jamais fechados) e ouvir o ensinamento com a máxima atenção e precisão para podermos compreender corretamente e na totalidade. 

A explicação sobre o nosso «verdadeiro eu» é um dos conteúdos do livro “Porque Vivemos” e da parábola «A verdadeira natureza do ser humano», criada pelo Buda Shakyamuni para responder às questões fulcrais da vida: «Quem somos?» e «Porque vivemos?», e também explicada no livro “Causa e Consequência”. Vale a pena ler os dois livros e ouvir em maior profundidade nos cursos online e eventos da Itiman.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, cultura japonesa e pensamento nipónico, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *