Blog

  • Home
5B4E48E0-E60B-4236-BD16-E167A7E9D750

A atual situação terrível, triste e extremamente lamentável da Ucrânia e a recente (mas não menos atual) pandemia que ainda não terminou por completo, pelo menos para os países mais pobres do planeta, nos traz indignação, reflexões e um enorme aprendizado para a nossa vida, que precisa seguir em frente.

Por que a humanidade condena veementemente a guerra e teme tanto a pandemia? O que realmente nos causa medo só de imaginar, ou infelizmente, ver nos noticiários um cenário de guerra? O que faz com que cuidemos da nossa saúde, sem negligenciar práticas quotidianas como lavar ou higienizar as mãos frequentemente e, até, usar máscaras? (O que é perfeitamente legítimo num caso de pandemia).

Tudo isso tem como único propósito “fugir da morte”, postergar o máximo possível uma realidade que, com certeza, virá para todos nós, que hoje estamos vivos, queremos continuar a viver e, por isso, não queremos guerras ou pandemias.

A morte é o futuro inevitável de todos. No entanto, são poucas as pessoas que pensam nela com seriedade. Preferimos simplesmente não nos deter neste assunto. O falecimento súbito de um conhecido, de um amigo, ou de alguém da família força-nos a encarar a desagradável realidade da morte e causa-nos tremores de medo e ansiedade; mas trata-se apenas de um estado temporário. 

Depressa esquecemos e preenchemos o vazio com questões sobre como viver melhor. Mesmo aceitando a inevitabilidade da morte, continuamos a empurrá-la para um futuro distante de nós. 

Um famoso médico japonês escreveu o seguinte texto quando estava perto do final da sua vida: «Durante toda a minha vida, apenas os outros é que morriam… Era o que eu pensava… Agora, a ideia de que chegou a hora da minha morte é absurdamente insuportável.» 

A diferença entre cuidar da vida e da morte de outras pessoas e contemplar o próprio fim iminente é comparável à diferença entre ver um tigre no zoológico e ver-se subi- tamente diante de um tigre nas montanhas. Embora tremendo de ansiedade e medo, enquanto estamos saudáveis encaramos a morte com o mesmo espírito de quem observa um tigre na jaula, perigoso e aterrador, mas que não atacará, pelo menos naquele momento. 

O que aconteceria, entretanto, se o país em reside for, neste momento, invadido à força pelas tropas militares do país vizinho ou se lhe dissessem que tem Covid-19, e lhe dessem apenas uma semana de vida? 

Nos dias em que se está bem de saúde, temos a sensação de poder viver para sempre, sem qualquer problema. E com esta “convicção”, adiamos a reflexão e a procura acerca do propósito da vida para depois, com mais calma, quando tivermos tempo. 

No Grande Sutra da Vida Infinita também podemos ler um alerta do Buda Shakyamuni: 

“As pessoas nesta vida são superficiais e todas lutam por coisas que não são urgentes”. 

Por outras palavras, isto significa que o ser humano vive completamente distraído pelo que está diante dos olhos, apenas com o desejo ardente de viver e aproveitar ao máximo o momento presente, e não se dá conta do propósito essencial da vida: solucionar a verdadeira causa do sofrimento humano e conquistar em vida a felicidade plena e suprema. 

A filosofia budista ensina que, antes de tudo, precisamos tomar consciência desta dura, mas inegável realidade para qualquer ser humano. Se adiarmos a busca, a procura do conhecimento do objetivo da vida até termos realizado tudo o que desejamos, decerto chegaremos ao momento derradeiro com o maior arrependimento da vida: termos feito tudo, mas sentirmos um grande vazio, como se não tivéssemos feito nada. 

Por isso, enquanto temos saúde e vitalidade, precisamos de encarar a questão da morte de frente e buscar a solução. Porque ela é possível nesta vida. É exatamente esta resposta definitiva ao sofrimento humano que Buda Sakyamuni esclareceu há mais de 2600 anos. 

Leia mais sobre este tema no livro Porque vivemos.

mm
Professor de filosofia budista, cultura japonesa e pensamento nipónico, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *