Blog

  • Home
Dominó – foto

Com certeza é o fim da vida física do corpo. A respiração cessa, o coração para de bater… Mas a vida humana não é constituída apenas da fisiologia do corpo. Ao menos enquanto se vive, faz parte do senso comum pensar no ser humano como uma entidade mental e espiritual também. 

O homem tem consciência de si agora, enquanto vive. Existe algo que ele considera o “próprio eu”. Daí vem a pergunta e tudo se centra neste único ponto: “O que vai acontecer com ‘o próprio eu’ depois da morte?”. Essa é a grande questão para todos os seres humanos.

A morte faz as pessoas desviarem os olhos, como se dissessem: “Pensar nela agora não vai mudar nada. Só vou pensar nisso quando chegar a hora. Se ficar pensando em morrer, não vou conseguir viver minha vida!”. 

Mas será que não existe outra maneira de lidar com a morte, além da rendição incondicional, da resistência até o fim, da total resignação? 

Alguns protestam: “Só saberemos o que acontece depois da morte quando morrermos. Por isso não vale a pena discutir o assunto agora”. Porém, essas mesmas pessoas acham natural se precaver e economizar para a velhice, sem saber realmente se chegarão a viver a terceira idade. 

De facto, qualquer um que morra jovem não terá de se preocupar com a velhice, mas, por precaução, adquirem seguros e planos de previdência privada. Ninguém diz: “Você nunca vai saber como é a velhice a não ser quando já estiver velho, então para que se preocupar agora?”. A incoerência de levar a sério a possibilidade de atingir a velhice e, ao mesmo tempo, ignorar e fazer pouco caso da certeza absoluta da morte parece não ocorrer a muitas pessoas. 

Enquanto se tem saúde, é possível pensar na morte como “repouso” ou “descanso eterno”, e afirmar que ela não é ameaçadora; mas, diante da morte iminente, tudo o que importa é saber o que existe atrás de sua cortina. 

Não se sabe, absolutamente, se existe ou não o mundo após a morte. Este estado de ignorância e ansiedade é chamado, na filosofia budista, de “escuridão da mente” ou “mente escura”. Essa escuridão se refere à ignorância ou à incerteza sobre o que acontecerá depois que morrermos. 

Se o futuro está envolto em trevas, o presente escurece. A escuridão do presente se deve à escuridão do futuro. A ansiedade sobre o que existe além da morte é inseparável da ansiedade sobre o aqui e agora. É claro, portanto, que será impossível iluminar o presente sem resolver a escuridão da mente, ou seja, a incerteza do pós-morte.

A filosofia budista, transmitida há mais de 2600 anos por Shakyamuni, o buda, explica que a causa básica do sofrimento humano está exatamente nesta “mente” que desconhece o pós-morte e indica o caminho para a sua solução nesta vida e a felicidade plena e duradoura.

A explicação introdutória e compacta sobre este tema e assuntos relacionados ao nosso desenvolvimento como seres humanos são apresentados no livro Porque vivemos, do Prof. Kentetsu Takamori.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Para aqueles que desejam saber a explicação detalhada e completa sobre a “mente escura”, a causa básica do sofrimento e o caminho para a sua solução, sugerimos a leitura da edição brasileira do livro Porque vivemos.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *