Blog

  • Home
happy-4984144_1920

Não somos capazes de viver sem nos apoiarmos em algo, em alguma motivação de vida, pessoa ou crença pessoal. Neste sentido, a filosofia budista ensina que “viver” implica em “acreditar” em algo. Em outras palavras, cada um de nós temos algo que consideramos a razão para viver, acreditamos e apoiamos a nossa felicidade nisso.

Para algumas pessoas o mais importante é o dinheiro, pois sem dinheiro não se vive. Para outros, a grande motivação da vida são os filhos. A filosofia budista ensina que esposa, filhos, dinheiro e bens materiais são tábuas e toras flutuando na vastidão do oceano da vida.

Mas, por que a família e o dinheiro são comparados a toras ou tábuas, nesta analogia em que a vida é comparada a um enorme oceano? Mesmo apoiados no marido ou na esposa, um dia teremos de nos separar, seja em vida ou no momento da morte.

Quando finalmente nos deparamos com a morte, somos abandonados por tudo com o que contávamos em vida, enquanto éramos saudáveis, da mesma forma que somos despojados das tábuas e das toras no meio do oceano, quando uma onda de sofrimento nos atinge. E assim temos de sofrer engasgando com água salgada.

Nesta situação, algum dia morreremos afogados. Isto é inevitável.

Mesmo sabendo de tudo isso, no cotidiano ocupamos a nossa mente apenas na questão “como nadar”. Desde o momento em que nascemos, todo o nosso esforço se concentra em “como viver”. Se alguém fica um pouco desanimado, incentivamos: “Não desista! Viva!”.

Mas, pensando bem, isso não faz sentido. Um dia, com certeza morreremos e, mesmo assim, temos de viver apesar da angústia. Sendo assim, por que viver?

Se a pessoa está a sofrer nesta vida e conforma-se com o pensamento de que isso continuará até a morte, sem esperança de que seja possível reverter a situação e conquistar uma felicidade plena e duradoura ainda nesta vida, que sentido terá viver?

Não é estranho, este tipo de pensamento? Por esta razão, podemos afirmar que sem conhecer o essencial, o objetivo da vida humana, viver perde todo o sentido.

(Conteúdo do filme – anime “Porque vivemos” – Japão, 2016)

Mesmo que de forma até inconsciente, se olharmos para dentro de nós, com sinceridade, veremos que esta é a questão que mais queremos esclarecer. É, também, o assunto central do Budismo.

Há mais de 2600 anos, Shakyamuni, o buda, explicou que, por maior que seja o sofrimento, devemos viver para realizar um propósito extremamente importante, nesta vida. O objetivo da vida é obter, enquanto estamos saudáveis, a felicidade absoluta, que é plena e duradoura, mesmo vivendo em um mundo em que tudo é inconstante e efêmero.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Professor de filosofia budista, autor, editor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *