Blog

  • Home
F1B94EE6-0608-49EC-B41E-D71D4C644724

Compaixão é uma palavra muito utilizada nos dias atuais, que representa um sentimento muito importante para o bem-estar e felicidade de qualquer pessoa e da sociedade.

Por ser assim, torna-se relevante compreender o seu sentido, no seu significado mais profundo. A compaixão é um valor humano ensinado pela filosofia budista há mais de 2600 anos, mas que é, e sempre será atual, enquanto a história da humanidade tiver continuidade.

A compaixão, que em japonês escreve-se 慈悲 e lemos como JIHI, é explicada pelo conceito budista BAKKU YORAKU, que significa “eliminar o sofrimento e proporcionar a felicidade”. A explicação, a partir dos ideogramas japoneses, pode ser expressa da seguinte maneira:

    COMPAIXÃO  =  Eliminar o sofrimento e proporcionar a felicidade

慈 悲 (JI HI) =  抜 苦 与 楽 (Bakku Yoraku)

Ao longo da vida, todos nós temos vários tipos de sofrimentos, assim como numa árvore, surgem continuamente incontáveis folhas e ramos. Por isso, a filosofia budista explica que há dois tipos de compaixão: a pequena compaixão e a grande compaixão.

A pequena compaixão é própria do ser humano e está presente em todas as relações interpessoais, familiares e sociais. Um exemplo é a compaixão dos pais para com o filho.  Quando o seu filho fica com dor de barriga no meio da noite, mesmo que estejam cansados e com sono, por mais que esteja muito frio, os pais levam o filho imediatamente ao hospital. Esta atitude é produto do sentimento de querer “eliminar o sofrimento” do filho.

Mas a compaixão dos pais não se limita a isso. Depois que a dor é eliminada e curada, os pais preocupam-se em confortar e aquecer o filho para que ele possa dormir com tranquilidade e segurança. Ou seja, querem “proporcionar a felicidade”. 

Da mesma forma, quando vemos uma pessoa carenciada, que passa por dificuldades financeiras e até fome, imediatamente sentimos compaixão e queremos ajudar com a doação de alimentos, bens materiais e dinheiro. 

Tudo isso é compaixão. No entanto, por mais que os pais solucionem a dor de barriga do filho, que ajudemos os mais necessitados com alimentos e bens materiais, a solução do sofrimento será sempre momentânea e temporária. É como podar as folhas e ramos que florescem na árvore do sofrimento. Certamente, surgirão novas folhas e ramos.

Obviamente, este facto não tira o mérito e a legitimidade da compaixão das pessoas, que efetivamente alivia o sofrimento daqueles que mais sofrem, neste momento. Em outras palavras, isso significa que a felicidade proporcionada pela compaixão humana sempre é e será, também, temporária.

Para cada tipo de sofrimento, necessitamos de um caminho adequado para a solução. Da mesma forma que para cada doença, é necessário adotar um remédio e um tratamento específico para chegarmos à cura. Por esta razão, são vários os caminhos e soluções apresentadas no budismo, como as mais conhecidas práticas e meditações, entre outras.  Mas não são as únicas. 

No processo de busca pela felicidade, que iniciamos desde o momento em que tomamos a consciência da vida, a coisa mais importante é saber corretamente da causa básica ou fonte do sofrimento humano (doença) e qual caminho trilhar (remédio) para eliminá-lo e solucioná-lo definitivamente. 

Embora seja necessário e relevante, não basta apenas podar as folhas e ramos da árvore. Para além disso, é essencial, também, arrancar a raiz da árvore do sofrimento humano.

Para isso, primeiro, temos de saber corretamente e claramente sobre a raiz (causa básica) do sofrimento humano. Ao mesmo tempo que precisamos viver com todas as forças o nosso dia a dia e gerir os vários sofrimentos cotidianos (folhas e ramos da árvore), como as questões relacionadas à saúde física, mental e emocional, meios de subsistência, família, trabalho e relacionamentos pessoais, necessitamos prioritariamente avançar pelo caminho que nos levará até a solução definitiva do sofrimento (arrancar e eliminar a raiz da árvore), para então, obtermos não apenas felicidades temporárias, mas sim, a tão desejada felicidade plena e duradoura nesta vida.

Este é o outro tipo de compaixão, a “grande compaixão”, explicada de forma profunda pela filosofia budista. Ao ouvirmos os ensinamentos de Buda Shakyamuni e compreendermos o que é a “grande compaixão”, poderemos obter a genuína felicidade e, ao mesmo tempo, partilhar e proporcionar a mesma felicidade às pessoas. 

Mais explicações sobre a compaixão e temas relacionados podem ser lidos no livro “Porque vivemos”, nos artigos e cursos online oferecidos aos leitores dos livros produzidos pela equipa da ITIMAN.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *