Blog

  • Home
wild-flowers-571940_1920

“Não fique só pensando quando as sementes vão brotar. Apenas plante.

O mundo está cheio de gente que passa o tempo pensando na colheita, mas nunca planta nada”.

(Prof. Kentetsu Takamori, livro “Um caminho de flores)
  • Boas sementes (ações) produzem bons frutos (consequências).
  • Más sementes (ações) produzem maus frutos (consequências).
  • Tudo o que eu colho (consequências que recebo) são frutos daquilo que plantei (ações que pratiquei).

O tripé básico do Princípio da Causalidade é uma verdade universal. Por isso, seja em qualquer país, época e para todas as pessoas, sem distinções de etnia, gênero, cultura, intelecto, situação económica e social, estas três sentenças sempre serão válidas.

Ao longo da vida, podemos passar por situações em que chegamos a duvidar da veracidade do Princípio da Causa e Efeito, mas há 2600 anos Buda Shakyamuni afirmou que não há exceções.

Muitas vezes, pensamos que praticamos o bem e tivemos como retorno um sofrimento. Ou, que cometemos um erro (má ação) mas como ainda não aconteceu nada, passaremos ilesos de receber uma má consequência.

Em qualquer destas situações, estaremos equivocados e esta ignorância em relação à verdade do Universo se transformará numa semente para a nossa infelicidade. Por isso, compreender de maneira profunda, correta e completa o Princípio da Causalidade é o início da caminhada em direção à felicidade plena e verdadeira. Para saber mais sobre o Princípio da Causalidade, ensinamento base de toda a filosofia budista e alicerce de uma vida genuinamente feliz, sugerimos a leitura do artigo “Ser honesto é ser tolo?

Partilhamos, também, um vídeo introdutório sobre o Princípio da Causalidade, base de uma vida feliz e de todo o ensinamento do Budismo.

Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Professor de filosofia budista, autor, editor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *