Blog

  • Home
twenty20_ffa3c5d8-7baf-4fbe-a340-49d8f8f8f262

É necessário ter consciência da enorme dívida de gratidão com nossos pais. Não fosse pelo pai, não nasceríamos; não fosse pela mãe, quem nos criaria? Entre os sentimentos humanos, não há o que se compare ao amor maternal.

Contraímos esta dívida de gratidão antes mesmo de nascer. Após conceber, a mulher enfrenta nove meses de dores, esteja deitada, sentada ou em pé. Embora se tente compensar o sofrimento com comidas gostosas ou outros mimos, ela os rejeita, pois o sofrimento é constante. Seu único desejo é que o filho nasça saudável.

Quando chega a hora do parto, a mulher vivencia um martírio: as articulações doem e ela sua frio, em uma agonia inexprimível. O pai, que a tudo observa, treme apreensivo e só deseja que mãe e filho estejam fora de perigo.

Quando a criança nasce com saúde, os pais experimentam uma felicidade sem precedentes, como um miserável que descobre um tesouro. Ao escutar o choro do recém-nascido, a mãe se desvencilha dos meses de tormenta e abraça uma alegria tamanha que esquece de todos os sofrimentos da gravidez.

No Sutra da Gratidão Infinita aos Pais, Buda Shakyamuni explica que a gratidão aos pais é infinita como os céus. Por isso, devemos nos esforçar ao máximo para retribuir, todos os dias da nossa vida.

Nesta jornada, o mais importante é o nosso sentimento e atitude: “Se não posso fazer tudo o que devo, devo ao menos, fazer tudo que posso”. O livro “Educar com Sabedoria – Histórias de ética e sabedoria”, de Kentetsu Takamori, traz outras histórias inspiradoras para a relação entre pais e filhos.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to dFlip 3D Flipbook Wordpress Help documentation.

Dúvidas ou perguntas sobre o conteúdo deste artigo podem ser enviadas para

Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

Mauro Nakamura
Presidente da Itiman, professor de Budismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *