Blog

  • Home
732D73D6-49D3-458B-978C-6026121CB4A9

A expectativa de vida humana aumentou muito nos últimos 100 anos, mas infelizmente, vida mais longa não é garantia de felicidade. Algumas pessoas trabalham duramente a vida inteira, economizam o quanto podem, planeiam viajar e comprar uma casa, roupas bonitas e ter melhores condições de vida, no entanto, ficam doentes e acamadas.

Outros, pensam no prazer de se deliciar com uma boa comida todos os dias e fazer tudo aquilo que gostam depois de se aposentarem, mas acabam sofrendo de diabetes e são forçadas a uma dieta restrita. Por fim, essas pessoas terminam a vida com lágrimas de dor e arrependimento, sem saber se valeu a pena ter vivido. 

Pode parecer pessimismo, mas esta é a mais pura realidade humana quando observamos com maior atenção e sinceridade as pessoas com quem nos relacionamos e a nossa própria vida. 

A questão aqui não é ser ou não ser pessimista ou negativista, mas, querer ou não enxergar a vida de maneira real, honesta, corajosa e sem distorções. Quem ainda não concorda com esta visão e acha que isto é viver de maneira equivocada e negativa, certamente ainda vivenciará momentos que a fará mudar de opinião, mesmo que isto ocorra apenas no momento derradeiro.

No entanto, de forma alguma nascemos para sofrer; não é para isto que vivemos. O desejo mais íntimo e supremo de todos os seres humanos é livrar-se do sofrimento e obter a felicidade plena nesta vida, o mais rápido possível.

Por isso, quanto antes as pessoas compreenderem que tudo na vida é impermanente e que a qualquer momento podemos perder a felicidade que temos hoje, mais tempo terão para buscaer e conquistar, nesta vida, a verdadeira e duradoura felicidade.

Há 2600 anos, Buda Shakymuni explicou que viver implica em ter sofrimentos, mas também indicou um caminho para a sua completa solução, ainda nesta vida, obviamente. Se a realidade de termos sofrimentos na vida fosse irreversível, significaria que nascemos apenas para experimentar e suportar a dor, o que não faria o menor sentido. Afinal, nascemos e estamos vivendo para sermos felizes; tudo o que fazemos, todos os dias, tem este único objetivo e propósito. 

Prolongar a vida é bom, mas surge a questão: “O que as pessoas farão com o tempo extra de vida que ganharam?”. A finalidade de sofrer para combater uma doença tem de ser não apenas a vida em si, mas a felicidade nesta vida. Um tratamento que apenas prolonga o sofrimento não faz sentido. 

A sociedade é um coro de vozes que nos estimula a viver e perseverar. No entanto, são pouquíssimas as pessoas que pensam e se questionam: por que, sendo a vida cheia de sofrimentos, devemos continuar a vivê-la?

Se não conseguimos responder esta pergunta com clareza e certeza, isto significa que estamos apenas “vivendo por viver”. Viver dessa maneira pode ser comparado a um avião que “voa por voar”. Num trajeto aéreo, as decisões sobre velocidade e altitude, alterações de rota devidas ao vento ou à pressão do ar, resolução de problemas mecânicos, tudo isso são escolhas que afetam o “modo” de voar. Antes de tomar qualquer decisão, o importante é saber precisamente a direção, ou seja, “para onde” voar. Nenhum piloto descolaria sem antes determinar seu destino, pois ele sabe que voar por voar acarretaria uma grande tragédia – a queda e a morte. 

Da mesma forma, se estamos vivendo apenas porque um dia nascemos, em modo de “piloto automático”, sem um propósito claro que forneça satisfação plena e felicidade duradoura, a vida não se reduziria a sofrimento apenas? 

Então, pergunto ao leitor:

Por que você nasceu e está vivendo? Qual é o propósito da sua vida? 

Deixe aqui os seus comentários e todas as perguntas podem ser enviadas a qualquer momento para o e-mail: mauro.nakamura@itiman.eu 

Os temas relevantes para o nosso desenvolvimento humano, baseados na filosofia budista, estão disponíveis também no livro “Porque vivemos”, de Kentetsu Takamori.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to DearFlip WordPress Flipbook Plugin Help documentation.

Onde adquirir o livro:




Dúvidas, perguntas e comentários podem ser enviadas para Mauro Nakamura, pelos seguintes meios:

mm
Professor de filosofia budista, autor, diretor de conteúdo e presidente da ITIMAN. Diretor internacional da Ichimannendo Publishing Co. Ltd. - Tóquio, Japão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *